"Seria ruído se não fosse um sinal"

06:41:00

A história que vou lhes contar é mística, humana e eterna. Coisas da alma, palavras que precisam ser cobertas pelo manto da poesia. Que as guardarão até quando for necessário.

“Era um velho ranzinza, chato e distante. Caminhava por entre os obstáculos que eu mais invejava. Eu invejava o velho.
Tinha o corpo de quem não se preocupa com o que é refletido, o que importava para ele era a reflexão, e essa, não é palpável.
Era um velho ranzinza, mantinha ideais hoje desnecessários no mundo cão, mas ele era chato, gostava de retrucar. Eu invejava o velho.
Ele mudou, se mudou, me mudou e tudo mudou. O velho agora era jovem. E eu era velha, razinza, chata e paradoxalmente distante.
Talvez ninguém perceba que eu to longe, infinitamente amedrontada e distante. São milhas de medo. A verdade é que eu invejava o velho.
Era pra ser apenas mais um, mas não era. Infelizmente.
Ou felizmente?!
 Paradoxalmente. Infinitamente.
Eu admirava o velho.
De todo o coração, para toda a vida.”

You Might Also Like

5 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Nós precisamos ter um olhar menos crítico sobre as pessoas. Nem sempre o primeiro olhar é a realidade, para ser sincero o primeiro olhar na maioria das vezes não condiz com a realidade. Precisamos conhecer melhor as pessoas, para a partir daí julgar.
    Pensamos que as pessoas mudam, mas às vezes nós que mudamos a idéia que temos sobre elas.
    Muito bom o texto!
    Beijo

    ResponderExcluir