Ao meu tio Álvaro, com carinho.

15:16:00

O violão foi o nosso fio condutor para a amizade, já que o primeiro contato não foi tão agradável, afinal, ele levaria de mim minha melhor amiga, a minha tia. Mas o convívio permitiu a aproximação. No meu sonho de criança eu imaginava quem seria a ponte para eu ser artista, e ele tocava e cantava músicas de Leandro e Leonardo, tinha fotos do Rio de Janeiro e conhecia os livros dos maiores autores da literatura. Poderia ser o caminho?  Eu não sabia. O que sei hoje, quase quinze anos do nosso primeiro encontro é que eu conheci umas das pessoas mais incríveis da minha vida.

Filho de uma chinesa trazida por brasileiros e por um homem que acreditava que a educação era a prioridade na vida de um ser humano, se formou em medicina, mas queria ter sido também engenheiro civil e também poderia ter sido um dos melhores professores de história do mundo. Ele nunca fora do tipo de se gabar para ser maior do que era e nem precisava, ele já era o maior.  Junto com minha tia realizou muitos dos meus sonhos. Talvez sem perceber, participou ativamente da minha formação como ser humano que sou. Humana, preocupada não só com o crescimento intelectual, mas com os dons de ser artista.  Eu gosto de ouvir suas opiniões sobre a economia brasileira, gosto de ouvir falar sobre sua vida no interior baiano, gosto de te ouvir tocar violão.

Eu conheci esse homem quando ele já tinha os cabelos grisalhos, com costumes peculiares e até estranhos, afinal, não é todo mundo que conheço que come feijoada às 5 horas da manhã. Uma pessoa admirável. Hoje, escolhi escrever sobre ele. Escrever sobre a importância de ouvir “Então é Natal na voz de Simone que ele faz questão de colocar todos os dias de dezembro, um detalhe que parece besteira, mas que criou em mim um vínculo com essa data, um vínculo com a minha família.

Esse homem que conheci tinha uma família também admirável, filhos incríveis e o que eu posso fazer a não ser agradecer?! Agradeço, ao meu tio por existir. Por ser tudo que eu quero ser, por conhecer os lugares que eu quero conhecer, por ter lido os livros que eu quero ler, por cuidar da minha tia que é rara e por ser raro também.  Obrigada pelo walkman, pela fita que vinha dentro, pelas revistas que guarda para mim, pelo conhecimento compartilhado e por me permitir conviver com sua paz. Tantas foram às vezes que pensei em desistir do que eu queria.  Lembrei dos seus passos, lembrei da minha admiração e novamente, mais uma vez, eu sigo.

You Might Also Like

4 comentários

  1. Com a rotina fica mais difícil enxergar a importância das pessoas na nossa vida. E eu tenho muito medo do futuro. Da falta indescritível que as pessoas podem fazer.
    Hoje eu sinto muita saudade, e dou mais valor a cada momento simples. Raro.
    Linda a forma de descrever, Lila. Exatamente assim, meu pai, meu mestre, meu heroi.

    ResponderExcluir
  2. Meu amor, como sentimos sua falta e de sua prima!!! Vc não faz ideia! Semana passada li em algum lugar algo que me marcou muito fundo. Dizia mais ou menos assim: "Podemos divergir sem ódio, discordar com respeito e até brigar com amizade. O que não podemos é permitir que fatores externos nos afaste." Bj no seu coração e que Papai do Céu te abençõe e proteja cada passo que vc der nessa e em outras vidas.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Como diz Mari, linda forma de escrever....
    So posso compartilhar o carinho e a admiração e agradecer por fazer parte da vida dele. bj grande. Jeo

    ResponderExcluir