enquadrado.

12:07:00

Paredes brancas. Alguns quadros na parede. Ar-condicionado faz com que os pêlos do braço se ergam. Os olhos piscam, querem fechar. Frutos da noite anterior. Dormira tarde. Sonhos durante o sono.
Com um caderno na mão, as pessoas ao redor nunca imaginarão o que escrevia.
Fone no ouvido. Letras românticas soam e são projetadas até o cérebro.Não sabia como funcionava esse mecanismo. Não deveria falar sobre o que não domina. Aprendera essa lógica na aula de teoria da comunicação. Estava cansada de falar sobre os mesmos assuntos. Preocupava-se com o que as pessoas iam pensar ao seu respeito. Ultimamente sentia-se plena.
E no caminho, dentro de um ônibus, ao passar pelo mar. Sentiu o cheiro da água tocando a areia. Inconfundível.Cheiro de plenitude. Se a paz tinha um cheiro,era aquele. Sorriu.
Balançava o pé ao som da música que só ela ouvia. Era um egoísmo que se permitia quando queria ficar sozinha em uma multidão Seu nome seria chamado em instantes. O devaneio iria acabar.
Enquanto isso continuava deixando as letras se juntarem no papel colorido. Mas ainda desejava deixar um texto com algum sentido e que fosse usado por uma pessoa que não fosse ela. Êxtase de uma aprendiz das palavras. Ser útil para falar o que o outro não consegue.
Ficara feliz só de pensar que passaria pelo mar novamente no caminho de volta. O cheiro da paz, plenitude.
Ônibus cheio. Mãos ocupadas. Suor na testa. Pés com calo. Gente desconhecida. Essas coisas filosóficas, sabe?
Seu nome chamado. Fim de devaneio. Fui.

You Might Also Like

0 comentários