Em cada palavra vai um pouquinho...

07:44:00


Vez ou outra ele se dava conta que eu existia. Batia na porta, perguntava como andava a vida e contava alguma novidade. Ia embora e  levava algumas palavras.
Meio rude, um tanto quanto metido a sabedoria, mas com o coração grande. Ele ouvia de longe as coisas que eu pensava e respondia de algum jeito estranho que de vez em quando eu entendia. Mas não era sempre.  
Saber da vida dele era um privilégio de poucos momentos, ele não estava disposto a falar sempre, eu também não ia dizer que me importava com isso, vai que ele pensasse que eu estava interessada, porque eu não estava. Claro que não. 
Alguém batia na porta, deveria ser ele, por certo quer saber alguma outra coisa. Analisei bem sua fisionomia, parecia um pouco cansada ou triste, ou ele quisesse passar que não se importava com a minha presença e não fazia questão nenhuma de sorrir. Mas continuei a analisar, suas palavras eram curtas, era difícil manter uma conversa com ele. Do outro lado, eu sorria imaginando o que ele estava pensando. Ele tinha que ir, um mero tchau e a porta se fechou outra vez.
Quando a gente tem um amigo desse tipo, você vai estar sempre na dúvida se ele é realmente um amigo ou um conhecido de longa data, vai se perguntar se gosta de estar sempre do outro lado como mera ouvinte e quem sabe aprender a ser mais humana. Porque quando gostamos da presença de alguém, o carinho permanece mesmo na ausência,mesmo na falta de palavras trocados ou instantes compartilhados e a presença real é o que menos importa.
O tempo tinha nos envelhecido, um mais que o outro, pelo menos as aparências demonstravam isso, mesmo assim a cumplicidade era a mesma, a amizade quem sabe, fosse também. Era a minha esperança. Todas as vezes que eu ouvia o barulho do outro lado da porta eu ia com a maior alegria do mundo abrir, perguntar coisas banais e dizer meia dúzia de tolices. Para ele perceber que estava no mesmo território de sempre. E se sentir não exatamente esperado, mas, querido.

You Might Also Like

9 comentários

  1. ooi =)
    gostei bastante do seu blog , seguindo ;)
    da uma passada lá no meu pra da uma olhada =D

    ResponderExcluir
  2. bm primeira passagem por intermédio d outro blog aqui no seu blog
    gostei mto
    se permitires
    virei mais vezes encher o saco **
    e por enquanto é isso;;;hihihi.
    abraço
    boa terça
    e Feliz dia do bumbum de fruta.
    sim....
    é de um gay q eu estou falando..
    kkkkkkk

    droga*essa foi horrível*

    ResponderExcluir
  3. Muito Feliz com sua paixão.
    O texto traz muitas características suas e conta de você mais do que se possa imaginar.
    Bem escrito, adorei.

    ResponderExcluir
  4. DEixe sempre a esperança entrar, e ela nunca morrer.

    adorei o texto,
    bom final de semana flor !

    ResponderExcluir
  5. E você ainda tem coragem de falar das minhas palavras? (; Guria, obrigada pelo comentário no meu blog... Saiba que seu dom com as palavras também é mais do que merecedor de reconhecimento!

    ResponderExcluir
  6. Ola visitei seu blog e gostei muito e gostaria de convidar para acessar o meu também e conferir a postagem de hoje: Transferência de obrigações familiares: Família / Ronald McDonald! E gostaríamos muito de sua opinião na questão levantada...
    Sua visita e opinião será um grande prazer para nós.
    Acesse: www.brasilempreende.blogspot.com
    Atenciosamente,
    Sebastião Santos.

    ResponderExcluir
  7. Oiie achei massa seu blog li seu perfil e vi que temos BASTANTE coisa em comum nascemos na vespera do natal quero fazer jornalismo sou romantica tbm tem horas que pareço criança outras vezes uma velha reclamando e adoro o pequeno principe *---*
    adorei aqui beijao'
    http://lucila.frisone.zip.net

    ResponderExcluir
  8. oioi :} adorei teu blog queri (: bom, to arrecem começando o meu blog, então ta meio podre, pretendo me forma que nem tu, jornalista, adoro escrever, sobre tudo e todos, que tal uma passadinha rapida no meu blog? se puder divulgar, valeu! :) beeeijão <3

    ResponderExcluir